Grito dos Excluídos reúne Igreja e Sociedade para pedir justiça social

Publicado em: 06/09/2018 | Seção: Arquidiocese | Assunto: Grito dos Excluídos 2018

Hoje, 6, véspera da Independência do Brasil, estão reunidos representantes das pastorais sociais da Arquidiocese de Fortaleza e movimentos da sociedade civil, no Centro de Fortaleza, no 24º Grito dos Excluídos – Vida em primeiro lugar.

A concentração ocorreu na Praça dos Mártires, com círculos de cultura, onde foram discutidos temas sobre o extermínio da juventude, feminicídio, migração e refúgio, comunidades tradicionais e democratização da comunicação.  Em cada um dos espaços houve a mediação de líderes pastorais.

Os participantes rumaram à Praça do Ferreira carregando bandeiras, faixas e símbolos de luta ao som de batuques.

No percurso à Praça do Ferreira acontecerão três paradas refletindo sobre o trabalho, privatizações e privilégios e o direito a saúde.

Na primeira parada representantes do trabalho denunciaram as estruturas que ferem os direitos trabalhistas. Na fala de um trabalhador foi lembrado os 14 milhões de desempregados no país e as reformas que tiram a vida e dignidade do povo.

Entre gritos, “o povo na rua a luta continua” ecoava o desejo de mudança e respeito à classe operária.

Em um segundo momento fora denunciada as privatizações e desmandos do governo, que entrega os bens públicos, sobretudo, a empresas estrangeiras.

O direito a saúde é básico para o bom desenvolvimento do ser humano. É preciso universalizar esse serviço com qualidade, especialmente, aos mais pobres. Nessa última parada o grito dos presentes é o acesso a uma saúde que atenda as demandas do povo e que o governo disponha mais recursos ao setor.

FONTE: página da Arquidiocese de Fortaleza

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Translate »